UE quer corte nas pescas de linguado, tamboril e pescada

A Comissão Europeia (CE) propôs na passada terça-feira as possibilidades de pesca, para 2021, de 23 unidades populacionais, com corte nas capturas de linguado, pescada e tamboril em águas nacionais, entre outras espécies.

A proposta de totais admissíveis de capturas (TAC) apresentadas para o Atlântico e Mar do Norte incluem unidades populacionais (stocks) sujeitas a negociações com países terceiros, como o Reino Unido e a Noruega, mas sem indicação de valores.

Em 13 stocks de peixe, Bruxelas, com base em pareceres científicos, propõe cortes para os TAC de 2021, incluindo a solha (-44%), o linguado (-42%), a pescada e o tamboril em águas portuguesas (-13% cada).

Também as unidades populacionais de juliana (-20%) e areeiro (-11%) sofrem uma redução na proposta de capturas do próximo ano.

As capturas globais de carapau podem aumentar 5%, cabendo a Portugal fixar os números para as regiões autónomas dos Açores e Madeira.

As negociações sobre o futuro acordo comercial – incluindo o acesso dos navios pesqueiros da União Europeia (UE) às suas águas – prosseguem com o Reino Unido e há ainda que chegar a um consenso com a Noruega.

Para além dos países que pescam em águas britânicas, também Portugal tem interesse num acordo que abranja o Reino Unido e também a Noruega, por causa das capturas de bacalhau.

Diretamente, Portugal não tem qualquer quota de pesca em águas do Reino Unido. A proposta da CE será debatida pelos ministros das Pescas da UE a 15 e 16 de dezembro.