UE preocupada com solos europeus

A vida no planeta Terra depende de solos saudáveis. 95% da produção mundial de alimentos depende do solo, que abriga um quarto de todas as espécies terrestres e desempenha um papel crucial no armazenamento de carbono e na filtragem da água, o que ajuda a mitigar as alterações climáticas e prevenir inundações e secas. Ainda assim, os solos europeus estão a ficar degradados, o que pode vir a ter consequências a longo prazo na segurança alimentar e na integridade dos ecossistemas. Para que tal não aconteça, é necessária uma ação urgente, especialmente porque leva um tempo considerável para voltar a gerar solos e restaurar a sua saúde.

Uma série de iniciativas políticas da União Europeia (UE) têm a preservação do solo como um foco importante. Solos saudáveis ​​são essenciais para cumprir as metas ambiciosas do Pacto Ecológico Europeu e os objetivos definidos pelas suas estratégias. A Comissão Europeia também está empenhada em atualizar a Estratégia Temática de Solos ainda este ano, estabelecendo um quadro de ação comum da UE para preservar, proteger e restaurar o solo.

No programa Horizonte 2020, vários tópicos foram dedicados à saúde dos solos. Estes esforços serão levados a cabo no âmbito do novo programa Horizon Europe da UE. A Horizon Europe irá também incorporar novas missões da UE, concebidas para resolver os principais desafios sociais que o mundo enfrenta. Cinco missões específicas foram propostas, com enfoque para a saúde e a alimentação dos solos. Caso seja adotada com sucesso, esta missão trabalhará no sentido de desenvolver soluções para restaurar a saúde e as funções do solo, bem como aumentar a consciência geral da sociedade sobre a sua importância.

Os 12 projetos apresentados neste Pacote de Resultados destacam as sinergias entre o que já foi alcançado e o que falta alcançar no “Horizonte Europa” e na missão da UE proposta para a área da saúde do solo e alimentação.

O projeto LANDMARK desenvolveu uma estrutura para o controlo do solo, de forma a apoiar a produção sustentável de alimentos na Europa e forneceu inúmeras recomendações aos legisladores europeus. Outro projeto, o CIRCASA, trabalhou para desenvolver sinergias internacionais em matéria de pesquisa e intercâmbio de conhecimento no campo do carbono em solos agrícolas, tanto na UE como a nível mundial.

Com os agricultores e a agricultura em mente, o projeto BEST4SOIL trabalhou para permitir que os agricultores pudessem aceder facilmente informações práticas no seu próprio idioma sobre como melhorar a saúde dos solos. Já a NUTRIMAN desenvolveu uma plataforma online para ajudar os agricultores a cumprir os novos regulamentos da UE sobre o uso de fertilizantes insustentáveis ​​no período pós-2022, informando-os sobre tecnologias e soluções futuras que podem facilitar a mudança para biofertilizadores mais sustentáveis.