LOA “tem que ir ao encontro das necessidades da Região”

O Secretário Regional da Agricultura e Desenvolvimento Rural disse no passado domingo que a Lei de Orientação Agrícola (LOA) está “desajustada da realidade”, que precisa de “ir ao encontro das necessidades da Região” e das “novas definições para que o produtor de agroalimentos não fique prejudicado”.

“A Lei de Orientação Agrícola, em termos políticos, na nossa lei fundamental, no nosso Estatuto Político Administrativo, tem de ser alterada para reconhecer a sustentabilidade, a naturalidade e a competitividade, pois temos de continuar a ser competitivos”, defendeu.

António Ventura frisou que a nova lei deve incorporar a nova definição de sustentabilidade, não podendo ser “fazer mais com menos, mas sim “ter mais para fazer mais”.

Para essa alteração, o governante disse contar com todos os contributos, designadamente da Federação e Associações agrícolas, de modo a se conseguir ter uma “lei ajustada aos novos tempos”.

António Ventura frisou ainda a importância da Federação Agrícola dos Açores, que diz “tem sido fundamental para aquilo que tem ocorrido nos Açores, desde logo, o pagamento a 100% das ajudas do POSEI”.

O responsável pela pasta da Agricultura deixou ainda uma palavra de reconhecimento a todos os agricultores pela situação pandémica, que tem afetado o setor de “forma social e económica”, relembrando quem “nunca deixou de trabalhar para não faltasse na mesa os alimentos necessários”.