Estudo aborda alterações alimentares durante a Covid-19

A Universidade de Évora, em parceria com a Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto e a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, estão a realizar um estudo internacional acerca das alterações no comportamento alimentar que a situação de pandemia por Covid-19 tem vindo a causar.

O comportamento alimentar é influenciado por uma diversidade de fatores, que vão desde aspetos biológicos a psicológicos e socioeconómicos. Uma situação como a que o país vive atualmente, em que, pela primeira vez, foi imposto um confinamento à escala global, tem repercussões nos estilos de vida, acesso a alimentos e aspetos emocionais, o que é possível refletir-se também nas escolhas e consumo alimentar.

O grande objetivo deste estudo é “saber o que mudou nos hábitos, e, principalmente, o que motivou essa mudança”.

Em Portugal, observou-se um ligeiro aumento do consumo de hortícolas e um maior interesse e disponibilidade para confecionar os alimentos mas, ao mesmo tempo, há um aumento do consumo de bolos, bolachas e chocolates motivado pela necessidade de procurar “conforto e recompensa” nas propriedades sensoriais destes alimentos.

A participação de 23 países permite conhecer e comparar a forma como diferentes ambientes socioculturais são afetados pela pandemia.

Os resultados conjuntos estão neste momento a ser tratados, para publicação em revista científica e vão ser também apresentados, em dezembro, nos Países Baixos, no Congresso Internacional Eurosenses.

Pretende-se, com este conhecimento, “contribuir para o desenho de estratégias alimentares que permitam tirar partido dos efeitos positivos e mitigar os efeitos negativos que a pandemia teve, no comportamento alimentar, de modo a promover hábitos de consumo mais saudáveis e sustentáveis à escala global.

O estudo encontra-se disponível aqui.