Cientistas desenvolvem novo modelo de cogestão

Em Portugal, onde mais de 80% da frota pesqueira é dedicada à pequena pesca costeira, esta atividade ganha a maior relevância do ponto de vista de gestão de stocks.

Vários estudos indicam que a implementação de medidas de gestão eficazes é a melhor garantia para o aumento dos stocks e dos rendimentos, a par de uma forma eficiente de adaptação do esforço de pesca ao estado do recurso.

Desde o início deste ano, que Portugal passou a ter um enquadramento legal para a existência formal e o funcionamento de órgãos participativos, que envolvem as comunidades locais que podem desenvolver modelos de cogestão dos recursos naturais.

É assim que foi criado este projeto de cogestão do polvo, financiado pelo programa Mar 2020 e implementado no âmbito do ParticiPESCA liderado pela Associação Natureza Portugal em parceria com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera e o CCMAR, que conta com a participação de mais de 700 pescadores e diversas instituições da região do Algarve.

Os resultados esperados passam pelo envolvimento das comunidades locais, logo uma maior corresponsabilização pela tomada de decisão; mais valor, logo maior rendimento para os pescadores com menor pressão sobre os recursos; e mais ciência, para maior conhecimento para melhor gerir.

O projeto será um marco para a sustentabilidade da pesca do polvo no Algarve e demonstrará o valor desta abordagem participativa levando a que Portugal se torne um exemplo de sucesso a nível europeu, na gestão partilhada dos recursos pesqueiros.